Jornal Meio Norte Maranhão
••• atualizado em 28 de Outubro de 2016 às 08:25

MP requer condenação de Thiago, Waldir Maranhão e Edmar Cutrim

PUBLICADO POR

Redação


Repórter

O Ministério Público Do Maranhão (MPMA) ajuizou duas ações civis públicas contra o deputado federal Waldir Maranhão(PP) e o filho dele, o médico Thiago Maranhão, por causa do recebimento indevido de salários na Universidade Estadual do Maranhão (Uema), e no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA), respectivamente.

Na ação contra o filho do deputado, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa também cita o conselheiro do TCE, Edmar Serra Cutrim.

Além do pagamento de multa civil, o Ministério Público requer a condenação dos três citados ao ressarcimento total do dano, à perda da função pública e à suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos.

A assessoria de Waldir Maranhão não se manifestou sobre o assunto. Thiago Maranhão não foi encontrado e a assessoria de Edmar Cutrim também não foi encontrada para falar sobre o assunto.


Image titleFoto: (Internet)

Salários indevidos
Em maio deste ano, o então presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), ganhou destaque negativo após receber indevidamente salários como professor da Uema referentes ao período entre fevereiro de 2014 e janeiro de 2016, enquanto exercia seu mandato de deputado federal, em Brasília.

Segundo a Uema, em março foi descoberto o pagamento indevido. Desde então, Waldir Maranhão foi comunicado sobre da obrigação de devolver ao erário estadual os valores recebidos no período assinalado. Ele teria requerido o cálculo atualizado do valor a ser devolvido, bem como a forma de fazê-lo. À época, a Uema disse que aguardava ‘a efetiva reparação ao tesouro estadual, providência que, quando adimplida’.

Filho também era ‘funcionário fantasma’
No mesmo período, o filho do deputado Waldir Maranhão, Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso, foi afastado do cargo de assessor do conselheiro Edmar Cutrim do TCE-MA após uma denúncia de que ele estaria atuando como médico em São Paulo e não exercia a função em São Luís.


Image titleFoto: ( Mirante)

No início de junho, Thiago Maranhão pediu ao TCE-MA para fazer o pagamento de R$ 565 mil – valor referente ao período em que recebia salário quando era ‘funcionário fantasma’ do órgão – de forma parcelada, sendo R$ 235 mil de entrada e outras 24 parcelas de R$ 13,7 mil.

Em recadastramento realizado após o escândalo, 22 do total de 571 servidores do TCE-MA não compareceram ao procedimento realizado pelo órgão no prazo estabelecido.

COMUNICAR ERRO

Comunique à Redação erros de português, informação ou técnicos encontrados nesta página:

  • Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente ao Portal Meio Norte
Deixe um comentário
17511,noticias

Manchetes que já foram destaques

ver todas as manchetes
Exibir em:

Redes Sociais

  • Google +1
  • Twitter
  • Instagram
  • Facebook